Delegada negra barrada em loja da Zara poderia ter prendido segurança por racismo, diz Polícia Civil

Delegada Ana Paula Barroso denuncia loja por racismo após ter sido barrada — Foto: PCCE/Divulgação
Vítima relatou que foi impedida de entrar no estabelecimento por um funcionário da loja, que alegou ‘questões de segurança’. Policiais apreenderam equipamentos de vídeo da loja com autorização judicial.

A delegada negra Ana Paula Barroso, diretora-adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis, da Polícia Civil do Ceará, poderia ter prendido o segurança que a impediu de entrar em uma loja da Zara, disse a Polícia Civil nesta segunda-feira (20). A polícia investiga o caso como suspeita de racismo.

“Ela [a delegada barrada na loja] estava com uma sacola de uma loja popular e não sabe dizer de fato o que houve. Ela só lembra do funcionário dessa loja a retirando do estabelecimento dizendo que ela teria que sair dali por motivo de segurança. Ela poderia inclusive dar voz de prisão e prendê-lo em flagrante pelo fato de estar consternada. Ela ficou em choque e não deu voz de prisão”, afirmou a titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza, Anna Cláudia Nery, que investiga o caso.

A Zara informou, por telefone, que a cliente entrou na loja sem máscara, tomando sorvete, e que foi abordada por um gerente para que colocasse a máscara. A empresa disse que a abordagem não foi motivada por questão racial, mas por causa de protocolos de saúde. Informou ainda que não aceita nem tolera discriminação.

Ainda segundo a delegada, a loja não colaborou nas investigações e recusou fornecer imagens das câmeras de segurança. No domingo (19), os policiais obtiveram determinação da Justiça e fizeram apreensão dos equipamentos de filmagem da loja.

“Em nenhum momento a loja contribuiu e esse foi um dos motivos, o principal motivo, pelo qual foi apresentada busca e apreensão dessas imagens. Porque essas imagens podem ser adulteradas, e a gente precisa da preservação dessas imagens na íntegra”.

“Foi dado entrada no ofício tanto para o shopping como para a loja pedindo as imagens naquele dia e horário determinado. O shopping deu sem nenhum problema e a loja no primeiro momento disse que ia falar com o seu assessor jurídico dela e após a resposta da sua assessoria jurídica nos daria retorno. Esse retorno não chegou. E no outro dia entramos com o segundo ofício sobre a necessidade das imagens”, detalhou a policial que apura o caso.

Seguranças, cliente e funcionários serão ouvidos

A delegada afirmou também que dois seguranças do shopping e uma cliente que testemunharam o caso serão ouvidos.

“Essas imagens foram capturadas ontem [domingo] e vão para a perícia. Outras pessoas serão ouvidas. Dois outros seguranças do shopping serão ouvidos que presenciaram. Uma terceira testemunha será ouvida que era uma cliente estava na loja e que presenciou por último o funcionário da loja”.

O inquérito policial que investiga o suposto crime foi instaurado na Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza. O mandado judicial teve como objetivo apreender todos os equipamentos de registro de imagens da loja, localizada no Bairro Edson Queiroz.

O caso ocorreu na terça-feira (14), quando a delegada Ana Paula Barroso foi impedida de entrar no estabelecimento comercial por um funcionário, sob a alegação de “questões de segurança”.

A Polícia Civil informou que, mesmo questionando e pedindo mais explicações acerca da conduta do funcionário, ela recebendo sem permissão para entrar no local.

Fonte: https://g1.globo.com/