Motoristas de ônibus se preparam para possível greve geral em Fortaleza

Foto: Fabiane de Paula/SVM

Os motoristas de ônibus em Fortaleza estão reivindicando 15,8% de reajuste salarial e 25% de reajuste no vale alimentação e cesta básica. Nesse contexto, ontem, 29, ocorreram manifestações em garagens de empresas no centro da cidade e no bairro Parque Araxá.

Caso não haja negociações, a categoria está estudando a possibilidade de realizar uma greve geral durante o mês de julho em Fortaleza e na Região Metropolitana. Esta não foi a primeira paralisação dos motoristas de ônibus, uma vez que, somente em junho houve ações semelhantes duas vezes. No dia 21, no Terminal do Siqueira, e no dia 9, no Terminal do Papicu.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), informou que o setor de transporte está sendo altamente impactado pela alta descontrolada dos preços dos combustíveis em um momento desafiador na economia do Brasil. “O Sindiônibus busca em negociação com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro-CE) uma alternativa responsável diante da momentânea incapacidade das empresas de conceder aumentos salariais”, afirmou o sindicato.

O comunicado declarou ainda, que, com o objetivo de oferecer segurança aos funcionários e alguma estabilidade às empresas para manter o serviço de transporte e seus postos de trabalho, foi proposto garantir por seis meses a manutenção da Convenção Coletiva de Trabalho que venceu no dia 30 de abril deste ano, com todos os benefícios nela previstos. “A expectativa é que a partir de novembro de 2022, as reivindicações do Sintro-CE sejam reavaliadas em um cenário mais favorável, que permita avanços salariais sustentáveis”.

De acordo com o Sindiônibus, o diálogo que estava em andamento foi suspenso porque o sindicato dos trabalhadores se recusou a aceitar a proposta. “O Sindiônibus conta com a compreensão do Sintro-CE de que essa é a alternativa que pode trazer segurança às empresas e seus trabalhadores neste momento”. Ao final da nota, o Sindiônibus declarou que está aberto ao diálogo e repudiou qualquer ato que impeça o deslocamento da população.

Fonte: https://oestadoce.com.br/

Zeudir Queiroz