Fim da greve: trabalhadores de ônibus de Fortaleza aceitam propostas de conciliação

Em assembleia-geral realizada nesta quarta-feira, 23, os trabalhadores de ônibus de Fortaleza aceitaram as propostas de conciliação com os empresários do setor, apresentadas durante audiências mediadas pelo Ministério Público do Trabalho no Ceará (MPT-CE) e pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-CE). Com isso, chega ao fim a greve da categoria, iniciada em 8 de junho último.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro), Domingos Neto, afirma que cerca de oito profissionais se posicionaram contra a inserção das medidas propostas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Porém, isso não impactou a decisão final do Sindicato, cuja maioria celebrou os acordos. Ele reconhece a importância do envolvimento da Justiça do Trabalho nas negociações com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus). “A gente agradece pelo empenho do MPT e do TRT em mediar esse conflito”, diz.

A conciliação envolve recomposição salarial da categoria no percentual de 10,24% sobre os salários de abril de 2021. O reajuste será de 2,46% a partir de maio; 4% a partir de dezembro e 10,24% a partir de março de 2022. Também foi acordado reajuste na cesta básica dos trabalhadores para R$ 155 a partir de 1º de maio de 2021. Já no começo de março do próximo ano, o valor deve subir para R$ 160, enquanto o auxílio-alimentação deve ser reajustado para R$ 16.

Em audiência no TRT nessa terça-feira, 22, o desembargador Paulo Régis Botelho elogiou o diálogo entre os sindicatos e o impacto disso no serviço de transporte. “A sociedade ficou muito satisfeita pela não paralisação do serviço de transporte público. Um serviço essencial, indispensável, notadamente, num período tão difícil que estamos vivenciando”, declarou ele.

A paralisação dos motoristas de ônibus foi anunciada em 4 de junho e iniciada quatro dias depois. Portanto, durou 15 dias para os dissidentes alcançarem acordo. Sindiônibus afirmou que houve paralisações temporárias, após o TRT-CE ter determinado circulação de pelo menos 70% da frota. Com o envolvimento da Justiça do Trabalho, os trabalhadores interromperam a paralisação no dia 9.

Fonte: https://www.opovo.com.br/