Explosão na White Martins: quatro vítimas receberam alta, mas duas seguem em observação

Foto Governo do Ceará

Segundo um boletim do Instituto José Frota (IJF), das seis vítimas da explosão da fábrica da White Martins em Fortaleza, quatro já receberam alta, mas duas ainda seguem em observação. O boletim foi atualizado por volta das 18h.

O hospital relata que as três primeiras vítimas chegaram à emergência por volta do meio-dia. Já às 15h chegaram as outras três. Os feridos por conta do acidente variam entre os 19 e 45 anos de idade e todos foram avaliados pelas equipes clínicas do hospital. Os pacientes passaram por exames de imagem e receberam medicações.

Após o procedimento, quatro deles já haviam recebido alta hospitalar até as 18h. Já os outros dois precisaram continuar em avaliação no IJF por recomendação médica. O boletim acrescenta que estes dois estão conscientes e recebem o acompanhamento de familiares.

A explosão da fábrica da White Martins

A manhã de sábado (24) foi de tensão para os moradores do bairro Jacarecanga, em Fortaleza. Uma explosão foi registrada na unidade de uma fábrica de oxigênio localizada na Av. Francisco Sá por volta das 10h30min. Um barulho fez o chão estremecer e gerou prejuízos em várias residências da região, quebrando janelas, danificando portões e estrutura do teto, fazendo com que muitas casas fossem tomadas pela poeira.

O episódio também registrou correria e pânico entre os moradores. Parte do muro da fábrica desabou. O impacto foi tão grande que derrubou motos que estavam estacionadas nas proximidades da fábrica. Após o estrondo, que teria partido da explosão de cilindros de oxigênio da fábrica, uma enorme cortina de fumaça se espalhou e foi notada em vários pontos da Capital.

As primeiras informações indicam que pelo menos cinco pessoas ficaram feridas. Todos, já receberam atendimento do SAMU, que rapidamente chegou ao local para atender a ocorrência, assim como o Corpo do Bombeiros.

A fábrica onde ocorreu a explosão atua diretamente na produção de diversos tipo de gás, sendo uma das principais fornecedoras de oxigênio para unidades hospitalares que tratam pacientes com covid-19.

Fonte: https://gcmais.com.br/

Zeudir Queiroz