Ferroviário fará pedido de impugnação de partida da Copa do Brasil, diz presidente

Newton Pereira Filho vê erro “sem precedentes” da arbitragem ao anular gol em disputa de pênaltis contra América-MG, promete ação no STJD e projeta ir à Justiça Comum

Presidente Newton Pereira Filho, do Ferroviário, durante Conselho Técnico do Campeonato Cearense Série A 2021 (Foto: Lenilson Santos/Ferroviário)

A exemplo do técnico Francisco Diá, o presidente do Ferroviário, Newton Pereira Filho, também subiu o tom contra a arbitragem após a derrota nos pênaltis por 3 a 2 para o América-MG, na última quarta-feira, 14, na Arena Independência, em Belo Horizonte, pela segunda fase da Copa do Brasil. O dirigente informou que o clube fará pedido de impugnação do confronto por erro de arbitragem.

Após empate em 1 a 1 no tempo normal, a vaga na próxima etapa do torneio nacional foi para as penalidades. Primeiro cobrador coral, o atacante Adilson Bahia converteu, mas a arbitragem indicou que a bola não ultrapassou a linha e invalidou o gol, o que gerou a revolta do Tubarão da Barra. Na sequência da disputa, o Coelho levou a melhor e se classificou.

“Acho que é sem precedentes no futebol. Eu nunca vi a anulação de um gol dessa maneira. A bola não bateu nem na linha, ela foi muito dentro. Foi um prejuízo enorme, financeiro e desportivo. Não foi um lance no decorrer do jogo, foi especificamente em cobrança de pênalti, onde tem dois profissionais só para observar isso, o árbitro e o bandeirinha, que estava lá na linha, em cima. E a bola que entrou um palmo depois da linha ser anulado o gol? É algo assim… Como foi o primeiro pênalti, existe uma pressão psicológica para quem vai bater em sequência. É prejuízo enorme. Queria ver agora o Lisca, que tanto reclamou, disse que não dava mais para o (Leonardo) Gaciba… Realmente, não dá, Gaciba. Não dá. Acho que eu vou ter que concordar com o Lisca, agora eu queria ver o que o Lisca pensa também, o time dele sendo beneficiado dessa maneira”, detonou o mandatário.

Ao final da partida, o dirigente do clube da Barra do Ceará se dirigiu ao gramado e reclamou com o árbitro paulista Vinicius Gonçalves Dias Araújo, sem sucesso.

“Falei, falei sim. Eu reclamei, e ele disse que não tinha vergonha de assumir os erros dele. Eu falei: ‘Você deveria ter. Você causou um prejuízo aqui de R$ 1,7 milhão e uma chance de disputar R$ 2,3 milhões. Então, você deveria ter vergonha’. Mas como é que funciona? A gente vai reclamar e o cara ainda ameaça te lançar na súmula, porque você vai reclamar. Deve lançar, não tenho medo. Lance. Ele disse que não tinha vergonha de assumir os erros, deveria ter vergonha de fazer o que ele fez. Foi tão acintoso que eu não creio que não tenha sido intencional”, disparou.

Além de apresentar protesto formal contra a atuação da arbitragem à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o Ferroviário entrará com ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) solicitando a anulação do duelo em Minas Gerais. A diretoria coral já prevê que não terá êxito nesta esfera e projeta ir à Justiça Comum, sem temer retaliações.

“O Ferroviário amanhã (quinta-feira) ingressa com ação de impugnação da partida e, após esgotada a Justiça Desportiva, entra com pedido de danos morais na Justiça Comum e impugnação da partida também, paralisação até que se resolva”, explicou Newton Pereira Filho.

“Nós não temos medo de entrar. É claro que nós vamos fazer conforme rezam os regulamentos, esgotar primeiro a Justiça Desportiva para depois entrar na Comum, se for preciso. Mas não tem mais como o Ferroviário… Vai ser prejudicado em quê? O Ferroviário já foi punido severamente. Vai ser punido como mais? Não tem mais outra punição. Ou vão tirar o Ferroviário de outros campeonatos? Vão fazer isso? Não vão. A punição já houve”, completou o presidente.

Fonte: https://www.opovo.com.br/